quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Carpinejaremos

Sou apaixonada por crônicas. Tanto que sustento esse blog com textos que, um dia-quemsabe-talvez- serão considerados crônicas.

Hoje de manhã me dei folga. Planejei que dormiria até as 10 e depois ficaria na cama até dar a hora de almoçar e partir para o trabalho.

Claro! Óbvio! Como ousas Camila? Planejar as coisas assim, sem consultar as forças superiores! Fui castigada, acordei 8 da manhã, sem um pingo de sono, mas com a cabeça cansada... Tentei, mas a cama não me quis, desisti.

Entrei no google e por ironia do destino internístico, caí no blog de Fabrício Carpinejar.

Jornalista, escritor e professor, Fabrício me encantou. Senti inveja branca, quis escrever da mesma forma que ele, mas como isso é bobeira, impossível, deixo aqui a minha dica de leitura.


E se não for muito abuso, ainda copio/colo um dos meus textos preferidos.

VOCÊ TEM QUE ME LER


É antropológico: mulher odeia ser mandada. São séculos e séculos de opressão. Não dê corda, que já cheira a forca. Vale, inclusive, para a masoquista. Gosta de firmeza, não que alguém diga o que ela deve ou não fazer. Não seja autoritário. O feminismo não é conversa de sapatão.

Que aconselhe, não emplaque uma ordem. Que ofereça um palpite, este é despretensioso como um assobio, é soprar uma melodia e permitir espaço para que ela complete a letra. Finja que está no chuveiro – menor o risco de se afogar. Fale cantado. Quem canta nunca será um ditador.

Posso estar plenamente equivocado, sou tão bonito quanto carro de eletricista, mas mulher aprecia é sentir saudade. Quando o homem desaparece e ela corre para procurá-lo. São coisas do cotidiano. Fui percebendo que a conversa com a minha namorada estragava sempre do mesmo jeito. Havia um método no erro. Uma insistência de minha parte. Uma frase morse que truncava o entendimento. Depois que pronunciava aquilo, nada mais funcionava. Da calmaria, ela migrava para um estado nervoso e impaciente. A transformação de sua atitude me baqueava: O que foi? Será que perdi algo? Retrocedia para caçar uma gafe. Cansei até captar o sinal. O homem ainda tenta melhorar sua imagem com o bombril na antena.

Eu dizia “você tem que” a cada início de diálogo. Impositivo, não agia por mal, era um hábito, buscava convencer com “você tem que”. Parecia que tinha a solução dos problemas do mundo. Persuasão é a sedução para quem não tem paciência. Meu caso; não cuidava da linguagem e depois estranhava o silêncio dela. “Você tem que” é um mandado de segurança. É atestar que ela não desfruta de condições de conduzir a própria vida. Virava um segundo pai, determinando suas atitudes. Fugia da cumplicidade, vinha com os mandamentos e as condicionais de comportamento para que merecesse a mesada.

O homem não botou na cabeça que a fragilidade da mulher não é dependência. Ela não precisa ser protegida, e sim respeitada. Existe uma diferença aguda no tratamento. Depois que ela fica braba não adianta remendar. Emerge um pânico das cavernas, o receio de ser puxada pelos cabelos e pelas palavras. Igual é chamá-la de louca no meio de uma discussão.

Quem não encheu o pulmão para desabafar “você está louca!”, com aquele grito catártico, que serve como elevador para todo o prédio? Eu confesso, mais de uma vez. É novamente afirmar que ela não tem domínio, que nem sabe o que está falando e menosprezar sua opinião. Pode até ser louca, mas não chame de louca, senão ela não vai recuperar o juízo. Na história do pensamento, quantas mulheres foram enviadas para o hospício devido a sua autonomia? Quantas receberam eletrochoque ou sofreram lobotomia em função da independência de estilo? Significa um joanete ancestral, um calo antiguíssimo, não pise.

Joana D’Arc não foi uma bruxa. Assim como vassoura não é para voar, é para varrer qualquer sujeira machista dentro de casa.

2 comentários:

Bruna Gabrielle disse...

Boa sugestão, Camila!!
Além de escrever muito bem, ele tem um ótimo ponto de vista! rs
Abs,

Eternus Apprentice disse...

Para escapar da loucura dos dias. Para lembrar que há, sim, sensibilidade no ponto de vista masculino. Para revisar nossos conceitos sempre tão mesquinhos. Para reunir tudo isso num único, genial e delicioso pop writer: carpinejaremos.

Linda recomendação.

Beijos meus.