sábado, 17 de julho de 2010

Retrospectiva - Fancy Dress

Bom, finalmente recebi a confirmação de que volto pro Brasil final do mês (cara de triste/cara de feliz/cara de triste/cara de feliz)!!!!

Eu já tô entrando na fase em que "preciso curtir os últimos momentos" (a.k.a torrar os dólares guardados em maquiagem, roupa e bloquinhos coloridos coisas muito úteis e que são caras no Brasil) mesclada com "ain, mais que saudaaaade daquele dia lá que a gente foi e zaszaszas". Poisintão, é aí onde eu quero chegar com esse "Retropesctiva" (todo trabalho no estilo Globo de ser) cafona do título.

Durante esses 6 meses, muuuuitas coisas aconteceram, mais muita mesmo, tipo coisapracaralho! É claro, que mais de 90% nem valeria um post, mesmo porque seria motivo de complicação para a minha pessoa/questionamentos de WTF?/ minha vida particular, né? Mas os 10% que sobraram renderiam boas histórias, e nesse clima de "olhar todas as fotos e CHORAR", vamos ao primeiro post da série:

Fancy Dress

- Jesoooooos, proteeeeege essas almas!

De longe, disparado, sem dúvidas, nunca pensarei duas vezes, todas-essas-coisas-que-a-gente-fala-quando-tem-certeza, foi a festa mais divertida de todas. Por divertida você entende: música boa, sem-noçãozisse e boas memórias (só esclareço isso porque todas as outras festas em que eu fui, sempre faltava uma coisa).

Só para situar vocês, o Fancy Dress é uma festa que acontece anualmente aqui na Washington and Lee, e é tipo aquele prom (ou Baile de Formatura) que a gente sempre vê nos filmes americanos. Mesmo esquema: pirar atrás de uma roupa, arranjar um par e fazer mil rituais antes de chegar na festa. E claro, é o momento mais esperado do ano!

Todo ano tem um tema diferente. Esse ano foi Moulin Rouge, e o legal é que tudo na festa tinha um toque de Moulin Rouge, desde ao kit que vinha com os ingressos até a ornamentação da festa.

Ser mulher no Fancy Dress é uma beleza, você só tem que se esforçar pra arranjar um par, pois é ele quem bancará o ingresso, o jantar e os pre-games. Ser mulher, internacional e comprometida no Fancy Dress é uma cilada Bino, você vai ter que economizar grana e dar um jeito de garantir seu lugarzinho na festa.

Como eu e meus amigos estávamos preocupados com a festa e nem ligamos pra esses detalhes, economizamos a grana e na hora de comprar, fechamos os olhos, abrimos a carteira e PÁ tapa-na-cara-da-sociedade: 70 dólares por um ingresso, poster, negocinho de colocar cerveja (sei o nome não, can cooler?), uma camiseta e dois copos personalizados. Eu sei, eu sei... Dar quase 140 reais numa festa é loucura, mas nem vem com esse olhar repressor que eu sei que tu já pagaste isso pra ver Pissirico e Jogo Duro da Bahia.

- O kit que eu falei, belezura.

O dia do Fancy Dress é cheio de etapas/rituais. Para um americano normal, estudante regular da W&L, rico, branco e lindo, as etapas são: começar a se arrumar por volta das 4/4:30, sair pra jantar num restaurante chique às 6/6:30, começar o pre-game lá pelas 7:30/8 e ficar nisso até o horário da festa pra já chegar lá tchunai.

Para um estudante internacional, sem acompanhante e sem dinheiro (lê-se eu e meus amigos), as etapas foram as seguintes: comer um pão com queijo e manteiga às 5 da tarde, ficar na internet até às 7, começar a se arrumar e a fazer o esquenta às 7:30, sujar tudo em casa, sair de casa pra fraternidade mais próxima, sujar tudo lá, abraçar os amigos, falar alto, e sair de lá tchunai.

- Realidade de um estudante internacional, sem acompanhante e sem dinheiro (etapa do jantar).

- Se arrumar e fazer pre-game...

-... tudo JUNTO!

- Registrar que um dia pareceu ser decente.

- Treinar uns passos de dança.

- Fraternidade mais próxima.

- Abraçar pessoas/ falar alto/ sujar tudo/ tchunai.

Além do frio do cão, a gente ainda teve que esperar uns minutos numa fila. A ornamentação tava muuuuuito legal! Eles pegaram os ginásios da faculdade e os transformam completamente. Não sei se é padrão, mas esse ano eles fizeram dois ambientes: um com banda e outro com DJ. Eu amei os dois, mas confesso que meu coração teve mais espaço pro ambiente onde tava a banda. Tava todo mundo dançando loucamente, a banda só tocava música boa E O MELHOR: os integrantes da banda eram todos negões/negonas e divos/divas. Preciso nem dizer que piro em negões/negonas e divos/divas, né?

- Frio feladapota!



- Fila pra entrar/ frio na barriga/ AEAEAEAEA!

-Negões/negonas e divos/divas!

Como eu sempre digo, "eu saio da Sapolândia, mas a Sapolândia não sai de mim", eu lembro de chegar onde a banda tava e minutos depois, JÁ TAVA CANTANDO "is getting hot in here/ So take off all your clothes/ I'm gettin so hot/ I wanna take my clothes off" lá na frente do palco. PÕE NA TELA, DATENA.

-REFLITAM!

Fazendo um resumão da festa mesmo porque lembrar de detalhes seria humanamente impossível, foi tudo muito bom! Saca aqueles momentos em que se você pudesse voltar atrás, voltaria umas 50 mil vezes? Isso mesmo.

- Vooooooooooooolta tempo, voooooooooolta!

-Lágrimas...

Daí você me pergunta "mas e no dia seguinte?". Tá ligado a cena do dia seguinte daquele filme The Hangover ? Pois é, tira o tigre que foi mais ou menos aquilo.

3 comentários:

Aldemar Matias disse...

Sério que a banda cantava Nelly em vez de Y.M.C.A.?
Vc pára e se pergunta: "Eu saí da terra da castanha e dos seringais para cantar hot in herre em pseudo-prom!"?

Aliás, tu fez o intercâmbio musical obrigatório de todo brasileiro e apresentou Tati Quebra-Barraco pra eles? (juro que consegui ensinar uma catalã a cantar Fama de Putona inteira!)

sejogando disse...

HUISHASUHUDSHUASHUSHSDUIHAUSHUDHUADSADS
ACABEI DE MORRER COM O COMETARIO DO ALDEMAR. DJÍSÃS!


ooooun camila, adoro retrospectivas. mocionei com essa aqui.
beijos gatsss :*
carol p.

sejogando disse...

mermãããão, 7 de agosto. vais estar por aqui jááá? o/
se tiver avisa que eu ponho teu nome na lista (porque a gente é shiki bem) hahahahahaha :***

espero que TEJE pq maninha, ja deu né?! hahaha
:*