sexta-feira, 26 de março de 2010

International House

Quando a titia que cuidou da papelada do meu intercâmbio me mandou o formulário dos lugares onde eu poderia morar, tinha uma tal de International House. Pensei "que mágico, vou conhecer o mundo sem sair do lugar" (roubei essa frase clichê de um comercial qualquer) e marquei o xiszinho lá.


- Era feliz e nem sabia o que me esperava...

De fato, cheguei aqui e conheci gente da China, Japão, Kirguistão (0u Turguistão, ou whatever, até hoje não entendi o nome desse lugar), Líbano, Oriente Médio (tô chutando, hahaha, é da galera que fala Salamaleico-Salan), Escócia (infeliz em conhecer), Vietnã, Bulgária eeeeeeeeeeeeeeeee acho que só.

É, olhando assim, uma explosão de cultura, de troca de informações, experiências, de... BIZARRISSE.

Na boa, desde que eu cheguei nessa casa, só conheci o lado ruim das diferenças culturais. Irei pontuar as bizarrices, assim fica mais fácil:

1- ELES NÃO TOMAM BANHO.

"Dã Camila, tem outra coisa mais nova pra contar não?". Não. Posso me chocar por viver com pessoas que não tomam banho? Sim? Grata.

Poisintão... tem gente que só lava o pé, tem gente que renova o meio quilo de maquiagem na cara, tem gente que toma banho umas 2 vezes na semana, tem gente que renova o perfume e tem gente que usa o banheiro só pra se olhar no espelho. Extremamente disgusting, ainda mais pra mim que tenho essa veia forte do caboco e nem me importo tomar 50 mil banhos por dia. Tem vezes que tá bombando os -2 graus lá fora, mas mesmo assim eu corro pro chuveiro.

2- ASIÁTICOS COMEM COISAS FEDIDAS


Sério, toda a paixão que eu tenho por comida chinesa/japonesa está diminuindo gradativamente. Todos os dias que eu entro nessa casa, vem um FUDUM de nhaca podre e quando eu olho pra cozinha lá está a comunidade asiática comendo uma mistura qualquer, de um troço estranho qualquer. Tem dias que uma amiga nossa daqui da casa fica tão revoltada, que sai gritando e abrindo tudo que é janela/porta, só pra ver se o fedor deixa a gente.

3- SÃO MAL-EDUCADOS

Ok, criei esse tópico de propósito. Ele é especial para a minha "colega" da Escócia, a qual carinhosamente apelidamos de Luana Piovanni. Loirinha, bonit
inha, branquinha e UM POÇO DE FALTA DE EDUCAÇÃO. Não sabe o que é "bom dia", não sabe o que é fumar fora de casa pra não impregnar a casa com nhaca de fumaça, não sabe o que é fazer silêncio enquanto o resto das pessoas da casa tentam dormir. Resumindo... a concretização da palavra bitch.

Luana, que infelicidade te conhecer colega, este tópico te dedico.

4- TEM HÁBITOS DUVIDOSOS

Vou dar apenas três singelos exemplos:

- As pessoas deixam tudo jogado, farelo de comida no chão, lou
ça suja por dias... tudo isso acarreta em: RATOS. Juro, tem rato nessa casa e eu nem sei como consigo dormir com essa situação. Canso de ver os ratos andando de lá pra cá, canso de falar pra esse povo tirar o lixo, lavar a louça, tomar um rumo e nada. Enquanto isso a comunidade de ratos só cresce...

- As pessoas quebram suas coisas. Ontem fui toda serelepe cortar cebola e alho e quando procurei minha tábua, quedê? Depois de alguns minutos e da ajuda do Artur, conclui que aquele pedaço de madeira que estava há dias no meio da cozinha, era na verdade a nossa tábua. Depois fomos atrás do outro pedaço, e também, do(a) culpado(a). Hoje chamei a culpada na xinxa e falei "querida, como que tu me quebra a nossa tábua" (num tom amistoso e angelical), e ela "So sorry, eu pensei que fosse da casa, por isso não me preocupei".

COMO ASSIM? Quer dizer que se eu botar fogo na casa, vai TÁ
DE BOUA?! No bad feelings!? Tudo na base do "foi sem querer".

Daí respondi na maior serenidade, "pois é linda, a tábua era nossa.... Quer dizer, nos emprestaram, portanto a situação fica mais delicada". A criatura reconheceu e vai comprar uma nova.

- As pessoas fazem cocô no chão.

OK, eu deixo você respirar fundo e ler de novo: as pessoas fazem coc
ô N-O- C-H-Ã-O.

Imagine a cena:

"Você acorda as 5 da manhã, morta de noiada de sonos e vai fazer xixi. Quando chega no banheiro, percebe umas manchas marrons no chão. Pisca o olho, balança a cabeça e olha de novo. Não é doidera de sua mente, é cocô no chão mesmo."

Isso aconteceu comigo e confesso que até hoje não superei esse evento. SÉRIO, como compreender que um dia você viveria com alguém capaz de cagar no chão? Melhor foi
o comentário da AR, a estudante que é "responsável" pelo boa convivência na casa:

"People here are too good to clean their own shit"


Isso foi como música para os meus ouvidos.

Entenderam? Pense bem quando lhe aparecer a oportunidade de conhecer o mundo todo sem sair do lugar...


- É uma cilada, Bino...

PS. eu gosto de pessoas nessa casa, tipo... 3!

4 comentários:

Anna Emíllia Meira Soares disse...

Passada!

Jack disse...

o horror!

Fabiano disse...

vc está totalmente certa sobre os asiáticos! Já senti na pele, ou melhor, no olfato!

Ah, e não é só a comida q fede, mas vamos parar com os detalhes por aqui mesmo. :P

Bernardo S Simões disse...

Hahahaha achava que ia ser tudo LIMDO?