domingo, 21 de fevereiro de 2010

Vai DCendo na boquinha da garrafa #1

Bom, como aqui em Lexington brotou uma semana de feriado (Virginia rules), eu e o Artur resolvemos sair desse fim do mundo e ir atrás da civilização. Como jovem é uma merda adora uma oba-oba e acha que tudo é festa, a gente foi querer confirmar a viagem dois dias antes e ficamos que nem nêga no samba atrás de taxi, passagem e o escambau. Incrível como Lexington é o fim do mundo cara, sério. Pense que a gente passou uma tarde ligando pra trocentos números e ninguém queria levar a gente pra Charllotesville (a cidade em que a gente pegou o busão pra Washington DC). Até que achamos uma tall de Dunn’s taxi.
A bonitona aqui ficou com o trabalho sujo de ligar. Sendo otimista sobre a conversa com o Seu Dunn diria que de 10 palavras que ele falava, 10 eu não entendia e 10 eu pedia pra ele repetir. Mas na peleja consegui com que ele entendesse que a gente tinha que sair de casa as 6 da manhã. UFA.

O cagaço maior foi o esperar o tiozinho. Num dos sites em que a gente viu o número dele, tinha na parte de comentário uma pessoa descendo o pau, falando que o serviço era podreira, que ele tinha atrasado LITRUS, e que ele ainda xingou a vó do cara. Bom, na dúvida a gente foi com ele (ele tinha cobrado 80 dólares, enquanto o outro tinah cobrado 202 dólares, DUNNS PRA VIDA!).
- Esse foi o máximo que eu consegui conhecer do Seu Dunn, até agora não sei como é o rosto dele.
Ele foi pegar a gente com uns 25 minutos de atraso, mas pelo menos o carro dele era quentinho, eu ronquei durante o caminho todo e ainda acordei com um nascer do sol incre-í-ble. Quando chegamos à Charllotesville, ainda ficamos uns 10 minutos bombando no frio e quando finalmente o cara abriu a porta eu descobri uma coisa: as pessoas em Charllotesville são lelesks!

- Sol queimando tudo até a último ponta do céu...

O cara me abre a porta e fala “galere, o buzão não vai sair porque o tempo ta ruim”. Eu, Artur e a menina da tatuagem de henna na perna soltamos uma “WHAAAAAAAAAAAAT” (no Brasil: comofaaaaaas?), ai ele: Just kidding (no Brasil:“tô de briiiiinks, entraê cambada!”).
Se mate.

A viagem do buzão foi tranqüila, durou umas 3 horas... Deu pra fofocar com o Artur, tirar uma soneca e olhar a paisagem.
- Dieta balanceada no buzão...

Finalmentche, chegamos em Washington DC, a terra do Obama, a terra da Casa Branca, a terra do maior Pau de Sebo do muuundo (a.k.a Washington Monument). Sério, só um dia em DC e já amo esse lugar. Lexington é o fim do fim do fim do mundo, com jovens abitolados que se vestem igual, falam igual, que não enxergam nada além daquela bolha (ok, parei).
Na parte 1 do DCendo na boquinha da garrafa acompanhamos nossos amiguinhos cariocas, fizemos compras e RÁ, alimentei um esquilinho. No final, ainda fomos ver qual era a boa da noite WashingtonDCniana, mas isso eu comento na parte 2, agora vou me arrumar e fazer a turista pela cidade.
- A lá, maior pau de sebo do muuuuuuuuundo. Isso nas festas juninas do Brasil dá até briga de galera, ficadica.
- QUE MAPA O QUÊ? A onda é chegar em DC com um pedaço de guardanapo e sijogar no primeiro taxi.
- Vem iquilinho, vem com a Cabila.
- Cariocax

3 comentários:

cayo disse...

O ônibus é exatamente igual ao que eu usaei para dar aula em Itacoatiara, só que no lugar da garrafinha de água, tinha um milho (comido)...
Iquilinho? Ele mora de aluguel?

Taisa Carvalho disse...

"- Vem iquilinho, vem com a Cabila."
asdçladaskdksdsdklsdksçdsldd
asdasdlsakdaskdçaskdaksdlksçdlsaçd
finalmente um post alegrÊêêêÊ
nada como a civilização néé?!
asdlçasdkasdçaskdçsads
:**

Manaus disse...

museu de historia natural,
vai la que eh doidera
ahhh e no museu espacial tem super colaboracoes russas x}